Ad
Ad
Ad

Pandemia de covid-19. A 2ª maior tragédia é a sua cobertura jornalística. Nunca antes a ciência comercial e o jornalismo com fins lucrativos estiveram tão afinados –a ciência impossivelmente incontestável, o jornalismo desavergonhadamente crédulo. É fácil sustentar o que estou dizendo. Mesmo agora, quando a verdade ainda não teve tempo de subir à tona como um peixe morto, é possível cavar um pouco e descobrir o que se dizia antes da pandemia, na época em que certos assuntos ainda não tinham sido indexados como dogma pela Igreja do Medo e da Ignorância (Na Melhor das Hipóteses).

Em 2011, 9 anos antes de a ivermectina ser transformada em veneno pela repetição incessante de um comando hipnótico que age na cabeça dos menos pensantes como luz estroboscópica em epilético, o remédio era considerado uma “droga mágica”. Naquele ano, o NCIB, ou Centro Nacional de Informação de Biotecnologia dos EUA (parte do Instituto Nacional de Saúde, ou NIH), republicava um artigo de um dos jornais científicos mais respeitados do mundo, o Proceedings of the Japan Academy, Series B, fundado em 1912. Para quem tem se desinformado com as notícias, fica difícil acreditar no que vem a seguir.

“Poucos remédios podem com seriedade se autointitular uma ‘droga mágica’”“como a penicilina e a aspirina”. A outra droga que pode se valer do mesmo título é a ivermectina, que “também pode ser considerada assim pela sua versatilidade, segurança e impacto benéfico”, e é considerada por muitos uma “das maiores conquistas médicas do século 20”. É verdade que quem escreveu esse artigo positivo sobre a ivermectina foi seu próprio descobridor, o cientista japonês Satoshi Omura. Mas algum mérito ele deve ter, porque em 2015 ele teve seu trabalho premiado com nada menos que o Nobel concedido a cientistas na área de Fisiologia ou Medicina.

Aquele artigo de 2011 não menciona a eficácia da ivermectina contra a covid-19, porque a covid-19 não existia. Mas em março deste ano, um artigo publicado no Japanese Journal of Antibiotics e co-assinado pelo mesmo Omura, defende seu uso, e diz que “com base em 14.906 pacientes em 42 estudos clínicos (incluindo ensaios randomizados controlados em 2.869 pacientes)”, a metanálise “registrou melhora em 83% dos pacientes com covid no tratamento precoce, 51% no tratamento tardio”, e teve sucesso em “89% na prevenção do início da doença”. Estima-se que “a chance de julgamento tão abrangente estar errado é de uma em 4 trilhões”.

Mas e a insuficiência hepática trombeteada por jornais como o Estadão, aquele cuja “checagem de fatos” disse que Lula não disse o que ele disse quando ele falou que “mesmo o político ladrão é mais honesto que um funcionário público concursado”*? Será que o Estadão errou de novo? Em nome de quem, ou do quê? Vejamos aqui a opinião de uma fonte um pouco mais confiável que o Estadão sobre o risco de insuficiência hepática causada pela ivermectina: a FDA norte-americana e seu banco de dados com o ranking conhecido como ‘dili’: drug-induced liver injury ou “danos ao fígado causados por remédios”. Ali é possível digitar o nome da substância e ver como ela se sai na classificação de possíveis danos ao fígado. São 4 os níveis, do mais baixo para o mais alto, e eu traduzo as classificações aqui literalmente: nenhum, menos, ambíguo ou mais. A ivermectina está na classificação “menos”, a 2ª mais baixa. A hidroxicloroquina também. A aspirina também. Para comparação, o ingrediente ativo do Tylenol, um remédio vendido como bala no Brasil, está sob a classificação de “mais”. A base de dados pode ser pesquisada online aqui: quantos de vocês viram isso nos jornais brasileiros? E quantos de vocês acham que isso deveria ser considerado informação essencial em meio a uma pandemia onde um cientista laureado com um Nobel recomenda o tal medicamento para o combate à covid?

Há que perguntar o que está por trás de tamanho silêncio, de um lado, e esse jogral jornalístico tão bem ensaiado do outro. Como é possível tantas vozes se calarem sem que precisem receber ordens pra isso, e tantas outras falarem a mesma coisa sem o menor sinal de discordância ou nuance? Eu tenho minhas próprias suposições, e uma delas é que existe uma orquestra que sempre toca direitinho sem nem precisar de partitura quando o maestro é Mamon, o rei do dinheiro. Existem outras possibilidades, claro, e uma delas é que quando um jornal compromete sua reputação em defesa de uma ideia tão perigosa, que pode ter consequências tão trágicas, ele vai fazer de tudo para se confirmar. Este artigo do Estadão tem o título “Após uso de kit covid, pacientes vão para fila de transplante de fígado; pelo menos 3 morrem” e ele é de uma mediocridade intelectual e jornalística tão irresponsável que um dia, eu prevejo, será estudado em aulas de ética jornalística. Digo isso com segurança porque quem diz que a ivermectina é segura não é apenas a FDA, mas a própria Merck.

Quantos de vocês viram a notícia, repetida ad vomitum, dizendo que a Merck não recomenda a ivermectina para o combate à covid? Essa informação é válida e importante, claro –a Merck tem uma certa autoridade para falar sobre esse medicamento porque ela é uma das maiores fabricantes da ivermectina, ainda que tenha perdido a patente em 1996. Mas se a Merck pode ser fonte sobre o não-uso de uma droga cuja exclusividade de fabricação e venda ela não detém mais, por que ela não serviria como fonte para informações sobre a segurança desse mesmo medicamento? Vejam bem: as duas coisas mais importantes na análise de remédios são, em 1º lugar, a segurança, e em 2º, a eficácia. Numa pandemia, medicamentos antigos têm prioridade porque eles já passaram no teste da segurança, e só falta confirmar a eficácia. Em outras palavras, eles são superiores a medicamentos novos porque, na pior das hipóteses, eles apenas deixariam de funcionar, mas não matariam ninguém. Por que, então, o Estadão não publicou nem uma nota sobre um vídeo promocional da própria Merck, com mais de 20 minutos, em que a empresa distribui ivermectina para crianças na África, com a participação de ninguém menos que o então presidente Jimmy Carter? Como pode a ivermectina não matar crianças de 5 anos no Chade e matar 3 pessoas na manchete do Estadão?

Antes da pandemia, podia-se ouvir falar de um médico agraciado com algumas reportagens nos jornais brasileiros. Seu nome é Cícero Galli Coimbra, e ele é neurologista da Unesp e diretor do seu Laboratório de Neuropatologia e Neuroproteção. Nessa entrevista à revista Veja, Coimbra fala de como vinha curando sintomas da esclerose múltipla só com vitamina D (que na verdade é um hormônio). Hoje ele defende o uso da mesma substância no combate aos sintomas da covid, mas o doutor Coimbra foi relegado ao fosso dos vídeos distribuídos pelo WhatsApp. Coimbra explica o que dezenas de estudos já vem confirmando: que a vitamina D de fato é eficiente em combater sintomas de várias doenças autoimunes, as mesmas que se assemelham a uma das maiores causas de morte na síndrome provocada pela covid: a “tempestade de citocinas”.

Existem várias outras doenças que podem ser atenuadas ou totalmente curadas com a luz do sol. Isso não é shamanismo –é ciência. Procure saber o que o sol faz com as células humanas, mas se lhe faltar tempo pra ler, faça o teste em uma planta que precisa de sol e veja o que acontece quando ela fica na sombra. Aqui alguns estudos sobre a vitamina D, que achei em uma busca de segundos: este (“O subestimado hormônio D-leitável que é importante para a saúde esqueletal e das células”), este(“Raio de sol e Vitamina D – ambos bons para a saúde cardiovascular”), este sobre a deficiência de vitamina D, e este (“Luz do sol e vitamina D para a saúde óssea e prevenção de doenças autoimunes, cânceres e doença cardiovascular”).

Todos esses artigos científicos têm uma coisa em comum, além da vitamina D: nenhum deles seria distribuído por uma assessoria de imprensa. O milagre científico da vitamina D é o tipo de benefício que você jamais vai encontrar em qualquer intervalo comercial, porque não existe ninguém para patrocinar o sol. O protocolo do Doutor Coimbra é mais um tratamento que não provocaria quase risco nenhum, e que ainda assim continua largamente ignorado pela imprensa, ainda que vários estudos mostrem uma correlação inegável: o maior número de mortes por covid acontece entre pessoas com menor nível de vitamina D no corpo. Falei disso aqui.

Deixe uma resposta