Gracia Cantanhede lança dois livros

GRACIA CANTANHEDE LANÇA DOIS LIVROS EM SETEMBRO
Escritora recebeu cerca de 300 pessoas na apresentação de “Madonna Chegou” (romance juvenil) e “Bacia das Almas” (poemas), em noite de autógrafos no Carpe Diem da 104 Sul.

A escritora Gracia Cantanhede lançou suas mais recentes obras, o romance “Madonna Chegou” e o livro de poesias “Bacia das Almas”, na noite de quatro de setembro. A noite de autógrafos aconteceu no restaurante Carpe Diem, tradicional palco de eventos literários em Brasília, e foi super concorrida. Cerca de 300 pessoas passaram pelo local e a fila para cumprimentar Gracia e ter os livros autografados foi incessante. a partir das 19 horas.

Para quem perdeu, Gracia adianta que haverá uma segundo lançamento dos livros em evento a ser realizado na joalheria Henrique Abinave, em outubro. Ela também foi convidada a participar da próxima ediação do Sarau Toccata, promovido por Káthia Pinheiro. Na ocasião, ela vai ler alguns de seus poemas aos presentes.

“São realizações muito importantes para mim. Livros são como filhos e como me orgulho dos dois e não faço distinção entre eles, vou apresentá-los na mesma ocasião”, explica Gracia, que escreveu os livros nos últimos dois anos. Além deles, há outros cinco na gaveta à espera de edição e publicação, o que ela pretende fazer já no próximo ano.

Lançados pela Drago Editorial, “Madonna Chegou” e “Bacia das Almas” serão comercializados no local e distribuídos pelas boas livrarias da cidade, como a Cultura. O primeiro, um romance para todas as idades, abarca a juventude, público para o qual Gracia sempre desejou escrever. O segundo é uma seleção de 85 poemas.

BACIA DAS ALMAS

“Bacia das Almas ” é o segundo livro de poesias de Gracia Cantanhede. Gracia assim resume seus poemas: “simples, curtos ou nem tanto, mas ditados pela sensibilidade, pelo meu modo de ver o mundo, o amor, a vida, as pessoas, ou Brasília. Tudo que toca a alma: a paz, o amor, os animais, as flores, o verde, a alegria, a dor, a lágrima, a esperança, os dissabores.”. São 85 poemas escolhidos entre mais de trezentos escritos. “Foi uma escolha aleatória. Os outros irão depois”, afirma.

MADONNA CHEGOU

A vida de uma cidade de interior não é mais a mesma quando Madonna, Lucas e Clarice chegam para passar as férias, Empolgados e em busca de muita diversão, encontram o avô Moisés com uma aparência preocupada, longe daquela pessoa alegue e brincalhona que costumava ser. E tia Isaura, para aumentar a imaginação dos três pré-adolescentes, ainda parece guardar misteriosos papeis em sua biblioteca sempre trancada a chave. O que poderia estar acontecendo? Será tentando responder a essa questão que, meio a barulhos estranhos nas madrugadas, vultos assustadores, cartas anônimas e muita intriga, Madonna e companhia usarão seus dons investigativos se deparando com segredos e mistérios do antigo casarão em que se hospedam. Mas uma descoberta, apenas incrível quanto fabulosa, fará os três perceberem que a aventura está apenas começando.

Sobre Gracia Cantanhede

Foi por volta dos 11 anos de idade que Gracia despertou para a literatura. Relembra que o incentivo de uma professora ao ler sua redação em sala de aula reforçou, ainda mais, seu gosto pela escrita e leitura. Já aos 16 anos colaborava com publicações do jornal “A Vanguarda”, de Boa Esperança (MG), cidade onde passou sua adolescência.

Em Brasília, formou-se em Direito e atuou como Procuradora Federal, aprovada em Concurso Público, com a literatura correndo, paralelamente. Além dos dois livros que apresenta agora, Gracia lançou outros três: Palavras de Mulher (1994), Jogo de Persona (1997) e Mulheres Apaixonadas (2013). Ao longo dos anos, participou de 19 antologias de contos, crônicas e poesias. Suas crônicas foram publicadas no “Caderno Mulher,” jornal Correio Braziliense, na década de 90, período em que também ganhou um concurso cultural promovido pela editora Abril com o poema Autorretrato.

Na cidade, está sempre envolvida em projetos culturais, e, por duas ocasiões, presidiu a Pró-Arte, entidade voltada para a divulgação e incentivo de manifestações artísticas nas mais variadas frentes.

Hoje, tem mais tempo para se dedicar à grande paixão de sua vida. “Não é um hobbie, é minha essência. Um chamamento, uma realização. Vivo em uma casa com mais de vinte mil livros. Ler, para mim, é prazer inigualável”. Há muitos anos, propôs-se um prazeroso exercício: “Todos os dias escrevo, seja uma crônica, um poema ou um conto, seja lá onde estiver. Tenho mais cinco livros para serem editados, inclusive um livro de contos e um romance. Os outros dois são crônicas”, comenta.

Notícias relacionadas

Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Campos marcados com * são obrigatórios